Pular para o conteúdo principal

O outro lado - Parte II - Final #EP23

Foto: 6tou, arquivo pessoal, 2021.



O dia amanheceu chuvoso e Pablo chegou no trabalho completamente encharcado, sua calça jeans desgastada pelo tempo e sua jaqueta favorita eram as suas principais marcas ali, no meio daquela gente toda que não tinha muito tempo para observá-lo diferentemente dos seus seguidores que interagiam até com aquela foto aleatória postada antes de sair de casa sobre aquele céu prestes a desabar com tanta água. Não importava se o tempo não estava aberto ou lindo, tudo virava conteúdo, tudo o que ele fazia quando não hitava, virava conceito principalmente com aquelas legendas do tipo motivacionais que nem ele mesmo acreditava: “só agradecer”. Ali com a roupa grudada ao corpo sob aquela sala congelante ele só queria encontrar palavras para agradecer aquele maldito banho de água que havia levado de um motorista apressado minutos antes de entrar naquela empresa. Lógico que ninguém daquela rede social precisava saber o caos que era a sua vida e era a única coisa que o confortava: o anonimato e a solidão tinham lá as suas vantagens. Eu acho.

  O que ele não imaginava é que alguém o observava através do reflexo do vidro embaçado daquela janela. Sim, Pablo, alguém te admirava ao longe, segurando folhas avulsas e sorria com o seu jeito tímido e desengonçado de ser. Era um olhar esverdeado rasteiro e desconfiado como se fosse ser “pego no flagra” a qualquer momento, seu coração acelerava só de pensar nisso, só de pensar que a cada movimento mínimo que Pablo fazia, ele poderia acabar se entregando, mas não poderia entregar as cartas assim... de bandeja. Precisava conhecê-lo melhor e seguia uma ética no trabalho que o impedia de abrir as oportunidades para o coração – coração...  era o bem mais precioso de Caio, orgulhava-se por não viver de aparências e nem de personagens virtuais, como daquele garoto esnobe que havia postado uma foto mais cedo, agradecendo pelo tempo fechado... “quem agradece pelo tempo fechado numa manhã de segunda-feira quando precisa atravessar a cidade para chegar a qualquer lugar, como aqui, nesse lugar frio e sem vida.” Caio, sinto em lhe informar, mas aquele cara que tanto te incomodou com aquela foto superficial, é o mesmo que você está admirando agora pelo reflexo da janela. A vida é realmente uma piada.

Aquele cara bronzeado, com músculos quase saltando do corpo, com um cabelo brilhoso e invejável estava ali a sua frente como realmente era: de aspecto pálido, sem um corpo nada definido e uma touca que cobria o seu cabelo - esse era o Pablo que ninguém conhecia e que não se achava suficientemente atraente para chamar atenção de alguém aqui fora, fora dessa bolha virtual que nos aprisiona através dessas malditas pressões estéticas. O que Pablo não sabia é que estava enganado, extremamente enganado, Caio ficava contando os minutos para que ele chegasse e trouxesse um pouco de brilho e ânimo para aquele ambiente sistêmico, mesmo que não trocassem palavras, era a presença de Pablo a única que de fato fazia diferença para a monotonia do dia-a-dia. Mas ao vê-lo naquela situação, não pode se conter e resolveu falar com ele:

- Oi, Pablo, né? Prazer eu sou o Caio, do setor 7, eu vi você chegando todo molhado e eu trouxe uma camisa extra porque eu sei que uma hora ou outra iria precisar. Não vai ajudar muito, mas pode aliviar e tenho uma toalha também, melhor que assim você não corre o risco de pegar um resfriado e não aceito não como resposta. Um silêncio tomou conta daquela conversa, a impressão é o que tempo tinha parado para aqueles dois.

Pablo estava paralisado, seu coração quase ia saindo pela boca de tão nervoso que ficou, não conseguia acreditar que ele estava ali, na sua frente e lhe oferecendo ajuda. Estava duplamente envergonhado porque não imaginava que Caio o observava e que mesmo sem terem muita intimidade estava ali solicito e perfeito do jeito que sempre imaginou antes de ir dormir. Sem conseguir mais uma vez formular nenhuma frase, fez um leve gesto trêmulo de que sim, estava aceitando a sua ajuda. Pablo se direcionou ao banheiro e em seguida Caio foi levar a toalha e a camisa disfarçadamente dentro da bolsa para que ninguém notasse, ainda que no geral ninguém prestasse atenção mesmo a nada além de si.

Enquanto Caio não chegava, Pablo ensaiava o que ia falar em agradecimento, treinou por tantas noites e agora não conseguia lembrar de nada, não queria dar a impressão de que era mal agradecido, mas também não queria parecer exagerado demais e o espantasse. No trajeto até o banheiro, Caio pensava a mesma coisa. Assim que entrou, seus olhos se cruzaram e como num instinto os dois falaram ao mesmo tempo. Pediram desculpas e retomaram a conversa... ao mesmo tempo. Os dois sorriram. Enquanto ia enxugando o seu cabelo, Caio o admirava e sentia que precisava falar tudo o que sempre quis dizer a Pablo, seus sentimentos, o medo de se envolver – se quer sabia se ele era comprometido. Entre o sim e o não, preferiu mudar de assunto. “Eu não consigo entender essa galera positiva da internet que acorda animada até em um dia tempestuoso como esse.” Nesse momento Pablo dá um leve sorriso sem-graça e concorda com ele, lembrando que ele faz parte dessa “galera”. “Você acredita que eu vi um hoje postando uma foto super vibes amor e paz, com a seguinte legenda: ‘só agradecer’?” Eu não tenho nenhum problema com isso, mas esse tal de P. Riveira, acho que é assim o nome, não passa de um personagem, não dá pra acreditar em nada que esse cara fala. P.Riveira na verdade era Pablo Riveira.

De repente todos os planos de Pablo vieram abaixo: achava que a única forma possível de chamar a atenção de Caio era por meio do destemido P.Riveira. Jamais imaginou que o personagem, como Caio mesmo já havia dito, que havia construído não despertasse a atenção de Caio do jeito que Pablo sempre havia imaginado. Quais armas agora poderia usar, não estava preparado para essa rejeição porque ali era sua zona de conforto e mesmo que não conseguisse desenvolver nenhum assunto com Caio naquele banheiro, já estava preparado para chama-lo no direct à noite e oferecer toda a espontaneidade que não conseguia ter ali diante do cara que sempre desejou. Não conseguia acreditar que iria depender do seu anonimato para despertar o interesse de Caio. Enquanto isso, Caio observava Pablo e notava o quanto ele era ainda mais bonito pessoalmente, diferente daquele cara superficial que só postava foto do sorriso, de um dos lados dos olhos, dos braços, quem se interessa só por pedaços do corpo? Pablo, não era esse tipo, era inteiro ali para ele. Era dessa completude que Caio sempre esperava. Pelo menos era o que passava por sua mente e ele resolveu verbalizar isso tudo ali.

Os olhos de Pablo encheram de água e como que já cansado de tanta superficialidade, desaba ali diante de Caio que sem entender nada, fica imóvel e paralisado diante daquela reação. Em toda a sua vida, ninguém jamais tinha dito aquelas palavras para ele e aquilo atravessou a sua alma dilacerando todas as suas expectativas e inflamando as suas frustrações. É então que ele abre o jogo e explica que P. Riveira na verdade era Pablo Riveira, que tudo aquilo que Caio havia dito mesmo que não quisesse ouvir, era necessário. P.Riveira era o personagem que fazia a vida de Pablo ter sentido, era onde poderia ser alguém mais desejável e menos solitário porque na vida real se sentia um bosta e que ninguém jamais iria olhar pra ele como... Nesse momento ele é interrompido com um súbito beijo. “Você é o meu único motivo aqui dentro, Pablo, espero que entenda que agora você entenda isso, você merece o mundo todinho como você é e não como os outros esperam que você seja, seu besta.” Os dois se abraçam e se despedem.

O fim do dia chegou e ali deitado na cama, Pablo não consegue tirar as palavras de Caio da cabeça, era muita informação para processar. Uma notificação de mensagem do seu avô chega e dessa vez ele responde, contando tudo o que havia acontecido e também se desculpando. Naquela mesma noite, ele vai até o seu perfil e posta uma foto com seu avô e a legenda diz o seguinte: oi, eu sou o pablo riveira e essa é a minha verdadeira história.


Episódio anterior - O outro lado - PARTE i - #EP22 



created with MySignature.io
Platonyco | Estudante de Letras
| Criador do Sextou com Platonyco
| mobile:  (98) 9 91552450
Create your own signature

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfretamento ao Racismo (feat. Prof. Leandro Costa)

Foto: Enfrentamento ao Racismo, Leandro Costa. 2020 Sexta feira, 12 de junho de 2020, finzinho de mais uma semana, que mais uma vez foi tensa e que seguiu com os protestos antirracistas ao redor do mundo. Em meio à pandemia, as pessoas seguem se mobilizando, à sua maneira. Eu comentei recentemente que nós temos a tendência de tentar apagar aquilo que nos fere ou feriu quem a gente ama. Para algumas pessoas é mais fácil fingir que o assunto nunca existiu, mas pra outras fica marcadas desde sempre. Porque elas perdem alguém, porque uma filha perde seu pai quando vai ao supermercado ou uma mãe perde seu filho enquanto está trabalhando. No episódio de hoje convidei Leandro Costa que é professor da Faculdade Santa Terezinha - CEST, é doutorando em ciências sociais pelo PPGCSOC-UFMA e membro do grupo de estudos Lutas Sociais, Igualdade e Diversidade (LIDA-UEMA). Formado em Ciências Sociais pela UEMA e mestre em Ciências sociais pela UFMA, é professor das áreas de Sociologia e Antropologia

Resistência e Redescoberta - a importância do #BlackLivesMatter

Fonte: Arquivo pessoal, 2020. Era uma segunda-feira, 25 de maio, você provavelmente estava no conforto da sua casa ou talvez no trabalho, talvez até mesmo pensativo sobre os rumos em que o distanciamento social está tomando. Nesse mesmo dia, um homem negro, de 46 anos, é acusado de comprar cigarros usando uma nota falsificada. Desarmado, ele é rendido e imobilizado com o joelho de um policial em seu pescoço por mais de nove minutos, mesmo avisando que não conseguia respirar, ele é negligenciado e morre. Uma adolescente de 17 anos filma tudo e rapidamente o vídeo toma conta das redes sociais, o que gera diversos protestos e manifestações nos EUA e ao redor do mundo, encorajando, inclusive movimentos já existentes contra a violência racial aqui no Brasil. Mesmo com a hashtag #BlackLivesMatter se multiplicando nas redes sociais, o que é interessante, já que é uma luta de todos contra o racismo, as nossas atitudes (e quando digo nossas, eu me incluo nessa categoria) precisam muito aind

Milagre na Cela 7 e Uma Lição de Amor: histórias conectadas e muito choro!

Foto: Arquivo Pessoal, 2020. E mais uma sexta-feira chuvosa, 15 de maio de 2020, chegou e com ela chegou também o Sextou com Platonyco . Hoje eu vou tratar com vocês sobre dois filmes que são super emocionantes, inclusive um que pelo seu recente sucesso tem sido comentado por muita gente. Confesso que fiquei relutante no início pra assistir, mas olha... fazia muito tempo que eu não chorava com uma produção tão sensível quanto essa. Isso porque Milagre na Cela 7 te faz refletir sobre princípios e valores que se fazem raros em nossos dias. Dirigido por  Mehmet Ada Öztekin , esse é um filme turco adaptado do filme sul-coreano Miracle in Cell No 7 de Lee Hwan-gyeong (2013). E não dá para falar de o Milagre na Cela 7 sem lembrar é claro de Uma Lição de Amor , filme de 2001, dirigido por Jessie Nelson e que teve no elenco Sean Penn, Michelle Pfiffer e as irmãs Dakota e Elle Fanning. Mas antes de falar um pouco mais sobre esses filmes quero deixar claro para quem tá chegando agora que o obj