Pular para o conteúdo principal

Se algo acontecer... Te amo (part. Samila Karla) EP#18


Se algo acontecer... Te amo
Foto: 6tou, arquivo pessoal, 2020.

Noite de sexta-feira, 23 de novembro de 2020. Essa foi definitivamente uma semana difícil para os amantes do futebol em todo o mundo, os fãs deram o último adeus ao craque e ídolo argentino Diego Armando Maradona Franco, o ex-futebolista e treinador faleceu na última quarta-feira, vítima de uma parada cardiorrespiratória, segundo a imprensa. Essas notícias sempre chocam a gente, seja você uma pessoa que curte o esporte ou não, Maradona deixou um legado inestimável para a Argentina e para o restante do mundo e isso nunca será esquecido. Enfim, por aqui a gente segue e hoje vamos continuar falando sobre essas perdas inesperadas e sobre uma garotinha que gostava muito de futebol. O que acontece com quem fica por aqui? Como as pessoas lidam com as suas dores? Cada um vive o luto da sua forma e o curta-metragem intitulado “Se algo acontecer... Te amo”, aborda isso de uma maneira muito sensível e que é impossível assistir sem se emocionar do começo ao fim com toda a história. Tá começando mais um 6tou.

O filme foi lançado em 04 de março de 2020 durante uma exibição privada na United Talent Agency em Beverly Hills e chegou à Netflix no dia 20 desse mês. Dirigido por Michael Govier, Will McCormack, o filme conta a história de um casal que enfrenta o vazio emocional e o luto pela morte da filha. Eu estava simplesmente fazendo aquelas buscas aleatórias no catálogo da plataforma e me deparei com o curta-metragem no ranking dos mais vistos na última semana. Curioso, resolvi assistir, mas não criando expectativa alguma, mas os 12 minutos daquela delicada história foi tratada com tanta profundidade que não consegui segurar o choro. Eu não fazia ideia do que se tratava antes de assistir, então fui fazendo as minhas suposições logo nos primeiros momentos do filme.

A gente vê um abismo enorme durante uma refeição em um dia comum na vida de um casal. O filme não apresenta diálogos, mas eu acho que foi até proposital porque ainda que houvesse, eles dois não teriam muito o que dizer entre eles, dado que as suas feições eram totalmente desanimadas e apáticas a tudo e a todos. Foi nesse momento, dentro das minhas suposições, que eu achei que eles tivessem enfrentando o fim de um relacionamento, o que de certa forma fez algum sentido posteriormente. Porém o motivo real de toda aquela tristeza só foi revelado gradualmente e isso fez com que eu ficasse preso ao que iria acontecer a cada sequência do curta. Importante que cada elemento que aparece nessas cenas iniciais: o prato com macarrão, o buraco na parede preenchido com tinta azul, a porta daquele quarto que precisa ficar fechada, o gatinho que olha para aquela porta e algo muito, mais muito relevante para o desdobramento da história que foi a presença das almas de cada um dos dois ali tão distantes quanto os corpos físicos de ambos. Sim, essa é uma trama que fala, dentre outras coisas, sobre a paz de espírito.  

As almas ali já se encontram num conflito que transpassa o mundo dos vivos, é como se elas se comportassem daquela forma em decorrência de algo não resolvido aqui na terra. E é aí que a gente descobre o motivo de tanto silêncio ensurdecedor: aquele casal havia perdido a filha num trágico tiroteio dentro da escola que tirou a vida dela aos 10 de anos idade. Essas lembranças são ativadas no momento em que a mãe dela recolhendo as roupas ali pra lavar acaba encontrando uma camisa sua, talvez uma das suas poucas peças de roupa que ela teve contato em muito tempo. É aí que entendemos que aquele quarto que sempre estava fechado e com o gatinho olhando a espera de algo que iria sair dali, era na verdade o quarto da filha deles e tudo ainda estava da mesma forma desde a última vez em que ela saiu... pra não voltar mais.

Nesse momento em que a mãe dela abraça a camisa aos prantos, cheia de saudades, a bola de futebol que ela tanto gostava de jogar cai de cima do armário e milagrosamente atravessa toda a casa até entrar naquele quarto e esbarrar no antigo tocador de disco de vinil que naquele instante começa a reproduzir a música que ela tanto gostava, transbordando todo aquele ambiente cinza em um lugar novamente colorido. A alma da garotinha sai literalmente do tocador dançando e para a alegria dos pais espirituais, e dos pais vivos todas as lembranças voltam e começam a ser recontadas no momento em que as três almas, mãe, pai e filha mergulham simbolicamente na camisa que despertou a saudade daquela mãe angustiada.

Eu perdi a minha vó esse ano e creio que muitas pessoas também tiveram alguma perda em toda a crise que a gente tá. E como eu disse, cada um lida da sua forma com o que sobra da gente que ficou por aqui. A Samila é uma pessoa que me inspira muito e esse é um assunto muito delicado para nós dois, mas assim como eu, ela também assistiu ao curta e teve uma outra visão sobre tudo o que foi discutido ali. O que você tem a dizer para quem está nos escutando agora.

Samila comenta sobre o curta.

Bom gente, infelizmente não existem fórmulas mágicas ou receitas infalíveis para lidar com o luto, mas a gente aprende a canalizar pensamentos e atitudes que nos ajudem nessa longa jornada. Entramos no luto, sofremos e temos que aprender a lidar com a ausência e com a distância. O casal de almas no filme só encontrou a paz depois que aprenderam a lidar com a ausência e distância da filha e assim acontece com todo mundo tem o seu tempo, e a gente precisa estar livres, não nos cobrarmos tanto até consigamos nos adaptar e aprender a sobreviver sem a pessoa que já está mais nesse plano com a gente. Esperamos que esse curta metragem possa ajudar você nesse momento difícil. Um abraço e até mais. 

Episódio anterior - O Gambito de Dama (part. Gabriela Lages, Luana Kerly) 

Episódio seguinte - Para Sempre Alice 


created with MySignature.io
Platonyco | Estudante de Letras
| Criador do Sextou com Platonyco
| mobile:  (98) 9 91552450
Create your own signature

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfretamento ao Racismo (feat. Prof. Leandro Costa)

Foto: Enfrentamento ao Racismo, Leandro Costa. 2020 Sexta feira, 12 de junho de 2020, finzinho de mais uma semana, que mais uma vez foi tensa e que seguiu com os protestos antirracistas ao redor do mundo. Em meio à pandemia, as pessoas seguem se mobilizando, à sua maneira. Eu comentei recentemente que nós temos a tendência de tentar apagar aquilo que nos fere ou feriu quem a gente ama. Para algumas pessoas é mais fácil fingir que o assunto nunca existiu, mas pra outras fica marcadas desde sempre. Porque elas perdem alguém, porque uma filha perde seu pai quando vai ao supermercado ou uma mãe perde seu filho enquanto está trabalhando. No episódio de hoje convidei Leandro Costa que é professor da Faculdade Santa Terezinha - CEST, é doutorando em ciências sociais pelo PPGCSOC-UFMA e membro do grupo de estudos Lutas Sociais, Igualdade e Diversidade (LIDA-UEMA). Formado em Ciências Sociais pela UEMA e mestre em Ciências sociais pela UFMA, é professor das áreas de Sociologia e Antropologia

Resistência e Redescoberta - a importância do #BlackLivesMatter

Fonte: Arquivo pessoal, 2020. Era uma segunda-feira, 25 de maio, você provavelmente estava no conforto da sua casa ou talvez no trabalho, talvez até mesmo pensativo sobre os rumos em que o distanciamento social está tomando. Nesse mesmo dia, um homem negro, de 46 anos, é acusado de comprar cigarros usando uma nota falsificada. Desarmado, ele é rendido e imobilizado com o joelho de um policial em seu pescoço por mais de nove minutos, mesmo avisando que não conseguia respirar, ele é negligenciado e morre. Uma adolescente de 17 anos filma tudo e rapidamente o vídeo toma conta das redes sociais, o que gera diversos protestos e manifestações nos EUA e ao redor do mundo, encorajando, inclusive movimentos já existentes contra a violência racial aqui no Brasil. Mesmo com a hashtag #BlackLivesMatter se multiplicando nas redes sociais, o que é interessante, já que é uma luta de todos contra o racismo, as nossas atitudes (e quando digo nossas, eu me incluo nessa categoria) precisam muito aind

Milagre na Cela 7 e Uma Lição de Amor: histórias conectadas e muito choro!

Foto: Arquivo Pessoal, 2020. E mais uma sexta-feira chuvosa, 15 de maio de 2020, chegou e com ela chegou também o Sextou com Platonyco . Hoje eu vou tratar com vocês sobre dois filmes que são super emocionantes, inclusive um que pelo seu recente sucesso tem sido comentado por muita gente. Confesso que fiquei relutante no início pra assistir, mas olha... fazia muito tempo que eu não chorava com uma produção tão sensível quanto essa. Isso porque Milagre na Cela 7 te faz refletir sobre princípios e valores que se fazem raros em nossos dias. Dirigido por  Mehmet Ada Öztekin , esse é um filme turco adaptado do filme sul-coreano Miracle in Cell No 7 de Lee Hwan-gyeong (2013). E não dá para falar de o Milagre na Cela 7 sem lembrar é claro de Uma Lição de Amor , filme de 2001, dirigido por Jessie Nelson e que teve no elenco Sean Penn, Michelle Pfiffer e as irmãs Dakota e Elle Fanning. Mas antes de falar um pouco mais sobre esses filmes quero deixar claro para quem tá chegando agora que o obj