Pular para o conteúdo principal

A cultura do cancelamento (feat. Isabelle Myzmann)

A cultura do cancelamento
Foto: Sextou com Platonyco, Yuri Jorge, 2020.

Central do Cancelamento, boa noite! Com quem eu falo?

Samila: Oi bom dia, é a Samila.

Qual o motivo do contato, senhora?

Samila: Então, eu queria cancelar o meu vizinho ele chegou por aqui muito gente boa falando com todo mundo, aquela atenção e tudo mais só que o que ninguém imaginava é que ele ia fazer a própria Arca de Noé no quintal dele porque este homem é o dia inteiro com uma obra. E bate na porta, e bate o martelo, e bate uma furadeira, e é uma tal de uma makita, é o dia inteiro esse bate-bate eu já não sei mais o que fazer, já bati de volta na parede para ver se ele entende, já reclamei alto gritando em casa sozinha para ver se ele compreendia que era com ele e até agora nada. Eu queria saber como é que eu resolvo essa situação se é com vocês mesmo, se vocês vão resolver ou eu vou ter que expor a pessoa ali no meu Instagram porque olha meus stories até reage de vez em quando, porém a situação é essa aí mesmo tá bom? era só isso obrigada.

Central do Cancelamento, boa noite! Com quem eu falo?

Felipe: Boa noite, com o Felipe. Então eu quero cancelar a minha amiga pelo fato de ela ser bonita, ela é jovem ela é boazinha, ela é da galera. ah vai para lá, quero cancelar ela.

Central do Cancelamento, boa noite! Como posso ajuda-lo?

Weslly: Oi boa noite aqui quem tá falando é Weslly e hoje eu entrei em contato com a central para fazer o cancelamento do meu irmão. Então ele se chama Wenderson e os motivos é que, além dele não gostar e criticar as músicas que eu gosto, ele teve a coragem de sumir com meu carregador do celular e também danificar o meu fone de ouvido. Eu gostaria de saber qual o procedimento que deve ser realizada se vocês cancelam aí mesmo pela central ou se eu devo expor ele nas minhas redes sociais.

Central do Cancelamento, boa noite! Por gentileza, me confirme seu nome e a cidade de onde está falando.

Átila: Oi boa noite aqui quem tá falando é o Átila, sou do Rio de Janeiro e o motivo da minha ligação porque eu queria fazer um cancelamento. Queria cancelar o Matheus que vive o dia todo na internet fazendo coisa para o pessoal não furar a quarentena, vive fazendo textão para o pessoal ficar em casa, para o pessoal usar máscara, para o pessoal passar álcool em gel, evitar aglomeração, mas quem é próximo dele sabe que ele tá furando a quarentena todo o final de semana. Todo final de semana ele tá numa resenha diferente, tirando foto com um monte de gente bebendo e eu queria cancelar ele pelo excesso de militância, pela falta de coerência e queria que todo mundo desse ban nele na internet porque ele não é merecedor, ele é falso, ele é um puro hipócrita do c******. Então ele merece ser cancelado, eu já tô ****** já, eu ******.

Imagine que você está ouvindo esse podcast e alguém está te cancelando porque no seu último storie você escreveu uma palavra equivocada, com raízes preconceituosas que nem sabia ou a palavra em si talvez não tenha significado algum, mas foi escrita de uma forma ortográfica e gramaticalmente errada. Talvez você achou uma imagem bonita por aí nessa vasta web e resolveu compartilhar porque achou a estética interessante sem se dar conta do passado obscuro dela... Talvez nesse exato momento você voltou às suas redes para dar uma conferida se tá tudo certo. É esse é o cenário em que nos encontramos hoje. Temos receio de tudo e de todos. Com uma extensão a mais, o que antes era comum no espaço virtual, hoje já vemos no nosso cotidiano real. E aí, você estaria preparando para um cancelamento? No episódio de hoje eu convidei Isabelle Myzmann, Psicóloga, Terapeuta Sexual e Pesquisadora de Gênero e Comunidade Lgbtqiap+, Pós graduanda em Sexualidade Humana e Saúde Mental para falar sobre a cultura do cancelamento.

Seja bem-vinda, Isabelle, que além de uma excelente profissional é a minha amiga de alguns anos. Tô muito feliz da tua presença aqui.

Isabelle Myzmann: Primeiramente eu quero agradecer pelo convite maravilhoso do Platonyco, quero dizer que eu admiro esse homem demais e que eu tenho a honra de chamar de amigo, apesar da gente não se ver tanto. Quero também cumprimentar todo mundo que está nos ouvindo que tirou esse tempinho para nos ouvir para conversar um pouquinho com a gente, que por mais que seja um podcast eu acho que é sempre bom o diálogo e a gente deixa aberto aí para quem tiver ouvindo depois quiser falar alguma coisa, é isso muito obrigada e vamos lá!

Eu tenho te acompanhado nas redes sociais e tenho visto, além da qualidade de tudo o que você produz, a sua preocupação em oferecer assistência psicoterapeuta aos seus pacientes e eu diria seguidores também. Como você tem se organizado pra dar conta de todas as demandas do seu trabalho que eu acredito que nessa quarentena tenha aumentado, né.

Isabelle Myzmann: bom na quarentena eu tenho de fato trabalhado muito, como eu sou psicoterapeuta eu costumo dizer que eu acho que na quarentena que esse é o momento em que eu tô trabalhando mais, as pessoas estão muito cansadas, muito adoecidas, são muitos transtornos. Na quarentena eu tenho trabalhado bastante no módulo online, também voltei para módulo presencial do processo psicoterapêutico e tenho estudado pra caramba, pra caramba mesmo. Eu acho que não recomendo, meninos, mas é o que me mantém de pé. Eu preciso ocupar meu tempo de alguma maneira, estudando, produzindo conteúdos para o Instagram, atendendo os meus pacientes, fazendo as minhas pós-online. Então é isso que eu tenho feito na quarentena, é isso que tem me mantido sã, porque eu acho que se não fosse isso provavelmente eu também estaria como todo mundo e às vezes dá quela surtadinha porque não é que a gente é psicóloga que a gente está imune as dores do mundo, às vezes elas aparecem até de uma forma maior na gente. E é isso eu tenho feito isso, tem sido proveitoso não tem sido uma produção ritmo frenético, mas é o ritmo que eu gosto de certa forma e eu pretendo manter também pós-quarentena.

Te conhecendo, eu sei que você não para mesmo. Mas Isabelle, a gente sabe que a cultura do cancelamento não é algo que possui um marco exato, mas que ficou bem evidente de uns anos pra cá, né.

Isabelle Myzmann: sobre a cultura do cancelamento, o nome ele já é auto-explicativo, mas é importante falar do contexto histórico onde ele surgiu. A cultura do cancelamento surge ali por volta de 2017 a partir do movimento antiassédio de Hollywood que é o Me Too e as pessoas começaram a cancelar, de fato, pessoas que precisavam ser canceladas que eram aqueles homens que poderosos da indústria hollywoodiana dos filmes que realmente assediavam, estupravam, abusavam de mulheres, de atrizes e a cultura do cancelamento fala sobre riscar, sobre cancelar, sobre fazer perder o efeito de alguém, de alguma marca, de alguma celebridade e o termo cultura tem a ver com a massificação dessa palavra do cancelamento em si. E a gente vê que é muito mais um movimento de redes sociais, a gente sabe que antes existia o fandom que significa o amor, aquele amor extremo à alguma celebridade e agora nós temos o antifandom ou o cancelamento que é aquele ódio que é cancelar, riscar alguém do mapa. Então a cultura do cancelamento é basicamente isso: uma cultura de massificação onde você cancela alguém, uma marca, uma celebridade, um artista, faz com que aquele artista perca a notoriedade, perca o efeito você risca ele da lista e de alguma forma isso se massificou principalmente na rede social chamada Twitter e agora muito mais recentemente no Instagram.

Na tua opinião, essa cultura do cancelamento é necessária, é benéfica, maléfica. O que você tem a dizer sobre isso?

Isabelle Myzmann: isso é até importante de ser falado, né, porque não existem coisas apenas boas e coisas apenas ruins. Nós somos seres humanos, a nossa natureza é boa e má, ela é positiva e negativa. Não existe algo apenas benéfico, apenas feliz, então acontece a mesma coisa com a cultura do cancelamento, ela não é apenas ruim, ela também pode ser boa assim como também ela não é somente boa, ela também pode ser negativa, como? Vamos explicar um pouquinho sobre isso. A cultura do cancelamento ela existe porque em algum momento foi preciso riscar algumas pessoas do mapa social, o que é isso? Riscar alguém do mapa social é fazer com que aquela pessoa desapareça, perca o efeito, tirar aquela celebridade da mídia porque propaga ódio, porque cometeu atos abusivos, tóxicos e, até mesmo criminosos, então nesse sentido o cancelamento é maravilhoso, por quê? Porque se a gente for pensar no nível de militância e até mesmo de causas sociais, de projetos sociais, de um mundo melhor, anti homofóbico, anti-racista, anti-fascista, anti misógino, o quê que a gente pode pensar? A gente pode pensar que cancelar essas pessoas que são machistas, misóginas, homofóbicas, racistas, fascistas é bom, mas ao mesmo tempo isso pode ser ruim, por quê? Por que nem todas as pessoas que estão sendo canceladas tiveram comportamentos extremos. Algumas pessoas apenas simplesmente desagradaram algum fandom, algum fã clube e aí as pessoas “vamos cancelar, vamos tirar essa pessoa do mapa social” e por que isso é ruim? Porque a gente não dá a possibilidade do diálogo, a gente não abre a discussão, a gente vai lá e apenas risca a pessoa sem necessariamente essa pessoa ter cometido um crime, ter cometido um ato misógino, homofóbico, racista. A gente simplesmente vai lá e diz assim: “pronto, risca essa pessoa do mapa, essa pessoa não presta, não quero mais saber, sai da mídia, volta pro mar oferenda”. E não é bem assim, imagina, vou jogar aqui só uma isca: imagina se as pessoas vissem o que você faz o dia inteiro, será se você ia ser cancelado ou não? Será que você é perfeito? Será se você nunca deu motivo de cancelamento para alguém? Fica aí a dica.

Ah mas com certeza eu seria cancelado, se eu já não fazendo nada já sou quem dirá... Enfim. E num reality show onde você está sendo monitorado 24 horas é quase que impossível de não ser julgado por não ter dado bom dia em um dia em que de “bom” mesmo não tinha nada.

Isabelle Myzmann: E se a gente for parar para pensar nessa questão de “será se eu iria ser cancelado? será se alguém que eu conheço seria cancelado?”, a gente tem um exemplo recente do Big Brother Brasil que foi aquela comoção nacional, inúmeras pessoas foram canceladas em um espaço de tempo mínimo: uma semana, um personagem estava cancelado em outra semana o outro participante estava cancelado, bastava falar alguma coisa contra-hegemônica, uma coisa estranha diferente. E tudo bem é um reality show, mas a gente sabe que não foi só no reality show.

Eu percebi que há uma recorrência ainda maior nos artistas que estão em evidência no momento. Quando eu me referi ao fato de que a origem do cancelamento não tem uma data exata, eu quis dizer que há muito tempo a gente já vinha vendo esses cancelamentos. A Anitta é a recordista disso, desde quando participou do programa Altas Horas quando a Pitty deu aquela lição sobre liberdade sexual feminina pra ela, até nos bastidores dos seus shows como no episódio da latinha e etc e ela sempre relembra esses momentos e faz uma reflexão de que foi necessário no processo de amadurecimento dela enquanto pessoa e artista. Ainda assim ela segue sendo cancelada e etc. Como você explicaria o cancelamento dos artistas?

Todos eles foram cancelados e a gente se pergunta: “tá, os artistas  estão na notoriedade, na mídia 24 horas por dia, mas e aí, a gente que tá aqui em casa, eu mesma que estou aqui conversando com meu amigo Platonyco, você que está nos ouvindo, será se tivesse mídia, jornais, televisão, internet, se você estivesse no reality show, imagina, você seria cancelado?” Eu acho que eu já teria sido cancelada inúmeras vezes porque eu não sou perfeita, de vez em quando eu “solto algumas assim... muito normal”, mas o importante é que a gente pense, reflita sobre os nossos atos, sobre as nossas falhas. Somos seres humanos nem sempre vamos acertar. A Anitta nem sempre vai ser a Anitta maravilhosa no palco, não ela é uma pessoa, ela também comete erros. As nossas celebridades são pessoas, elas não são deuses, eu creio que muito da cultura do cancelamento é justamente porque nós mistificamos,, ou seja, tornamos as pessoas grandes mitos, nós deusificamos, nós tornamos essas pessoas deuses quando elas são apenas seres humanos como nós.

E que alternativas à cultura do cancelamento você sugeriria?

Isabelle Myzmann: bom, essa é a parte que me cabe como psicóloga, trazer alternativas, trazer versões, trazer possibilidades para essa cultura do cancelamento. Eu acredito Platonyco que as alternativas, de fato, é se manter aberto ao diálogo como eu sempre costumo falar para os meus pacientes, para quem me segue no Instagram também, a conversa, o diálogo, estar aberto empaticamente ao outro é o que nos leva a um outro patamar de humanidade e até posso dizer um patamar mais elevado. Porque a gente está nesse momento numa sociedade em que não se escuta o outro, massificou-se também essa história da gente “ah não gostei, não quero ouvir, não quero argumentar, não quero saber, finjo que não existe”. A cultura do cancelamento traz muito isso, fingir que não existe, cancelar, riscar o outro da minha lista, mas a partir do momento que eu abro os meus ouvidos para entender o outro, para ouvir o outro e até mesmo me colocando nesse lugar porque como eu falei a gente é ser humano, nós somos seres humanos, nós somos falhos, nós somos falíveis, não somos deuses, não somos mitos, estamos o tempo todo errando. Se a gente for colocar uma medição de erros por dia, todos nós seremos cancelados, todos nós estaremos completamente errados porque ninguém é perfeito e que bom por isso. É justamente por não sermos perfeitos que podemos aprender com os nossos erros e se podemos aprender com os nossos erros, podemos abrir a possibilidade do outro repensar os seus erros. O problema do cancelamento é justamente esse: não dar ao outro a permissão da réplica e se desculpar e não apenas com palavras, com atitudes. Cancelar o outro é cancelar a possibilidade eterna no outro de se redimir e eu tenho certeza que se você fosse julgado por alguma coisa que você fez um dia na sua vida, se você fosse julgado eternamente você não ia gostar.

Isabelle Myzmann: então a alternativa é sempre um olhar empático, abrir possibilidade de diálogo, de conversa, de ouvir o outro, de escutar o que ele tem a dizer que pode ser que sim, ele tenha errado, mas sim, ele também pode mudar. Somos seres humanos, somos falíveis, mas podemos mudar, podemos melhorar, podemos evoluir.

Que ótimo! Informação é TUDO. Você poderia indicar livros, filmes ou séries que possam esclarecer ainda mais para os nossos ouvintes o tema do episódio de hoje?

Isabelle Myzmann: Ai que gostoso! A parte mais gostosa, as indicações de livros, de filmes, de livro, eu adoro isso! Então eu acho que fica aí para gente se inteirar, para a gente começar a pensar sobre isso um livro muito bom que é A Pedagogia Do Oprimido, Paulo Freire. Nesse livro ele fala que o sonho do oprimido é ser opressor, então a gente pode ver muito isso na cultura do cancelamento. A gente como a gente é oprimido o tempo todo na nossa sociedade a fazer coisas, a ser sempre certa ou politicamente correto ou mesmo a ser tradicional, conservador, o nosso sonho quando a gente tem oportunidade é oprimir esse outro, é cortar a fala dele, cortar, tirar o direito dele se redimir. Então fica aí a dica de livro A Pedagogia Do Oprimido, Paulo Freire, maravilhoso educador. Também Black Mirror, gente vamos assistir a série Black Mirror que eles já previram a cultura do cancelamento há muito tempo antes da gente imaginar que existiria a cultura do cancelamento, acho que vocês se lembram daquele episódio onde a mulher tem que ter vários likes, tem que ter um score, um número que ela tem que atingir para ser super popular só que aquele número vai caindo conforme ela vai fazendo coisas contrárias ao que aquela mídia pede, então ela vai sendo cancelada aos poucos, ou seja, fica aí mais uma diquinha, Black Mirror. Assistam Black Mirror, mal não vai fazer. Leiam A Pedagogia Do Oprimido, Paulo Freire e é isso essas são as minhas indicações para vocês hoje, essas são umas diquinhas bem básicas, mas eu tenho certeza que vocês vão entender muita coisa das estruturas sociais assistindo a essa série e lendo esse livro.

Eu assisti a esse episódio. Ele se chama Queda Livre e você pode encontra-lo na terceira temporada de Black Mirror, maravilhoso mesmo, estrelado por Bryce Dallas e tá disponível na Netflix. Bom, como vocês puderam ouvir, incialmente a cultura do cancelamento surge como um regulador de comportamentos sociais e que dentro do movimento #MeToo além de denunciar os casos abusivos fazia com que o opressor perdesse popularidades e etc o que foi e é muito necessário. Mas o cancelamento como linchamento virtual sobre práticas que julgamos certas ou erradas e que envolvem o intimo particular de alguém imperfeito se torna uma arma potencialmente controladora da liberdade de expressão. O indivíduo perde sua autonomia pelo medo pois na condição de cancelado ele é julgado e sentenciado sem direito à defesa e nesse caso precisamos rever nossas práticas afim de tornar a internet um ambiente psicologicamente mais saudável para quem quer mostrar as suas verdades sem temer a aprovação da maioria. Eu quero agradecer muito a tua participação amiga!

Isabelle Myzmann: e antes de dar tchau queria mais uma vez agradecer o convite do Platonyco, muito obrigada amigo. Realmente foi maravilhoso bater esse papo com você, como sempre é dizer aqui para vocês que estou muito feliz de ter conversado com vocês hoje. Obrigado a todos que estão ouvindo que a gente tem a dizer, que a gente trouxe para vocês. Se vocês precisarem de uma psicóloga, de uma psicoterapeuta, ou de uma terapeuta sexual, podem me ligar no (98) 98230-2411 e eu vou estar super feliz em atender todos vocês, se eu puder também. Muito obrigada e até a próxima.

Linda! A transcrição desse episódio está disponível em platonyco.com. Gostou desse episódio? Compartilha! O Sextou com Platonyco faz parte da rede #lgbtpodcasters. Acesse www.lgbtpodcasters.com.br. A gente se encontra na sexta que vem! Aquele cheiro!

___

Episódio anterior: Dark - o fim é o começo e o começo é o fim (feat. Luís, Jonas e Yuri)

 ___

Episódio seguinte: Entendendo o preconceito linguístico (feat. Ingrid)

created with MySignature.io
Platonyco | Estudante de Letras
| Criador do Sextou com Platonyco
| mobile:  (98) 9 91552450
Create your own signature

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Enfretamento ao Racismo (feat. Prof. Leandro Costa)

Sexta feira, 12 de junho de 2020, finzinho de mais uma semana, que mais uma vez foi tensa e que seguiu com os protestos antirracistas ao redor do mundo. Em meio à pandemia, as pessoas seguem se mobilizando, à sua maneira. Eu comentei recentemente que nós temos a tendência de tentar apagar aquilo que nos fere ou feriu quem a gente ama. Para algumas pessoas é mais fácil fingir que o assunto nunca existiu, mas pra outras fica marcadas desde sempre. Porque elas perdem alguém, porque uma filha perde seu pai quando vai ao supermercado ou uma mãe perde seu filho enquanto está trabalhando. No episódio de hoje convidei Leandro Costa que é professor da Faculdade Santa Terezinha - CEST, é doutorando em ciências sociais pelo PPGCSOC-UFMA e membro do grupo de estudos Lutas Sociais, Igualdade e Diversidade (LIDA-UEMA). Formado em Ciências Sociais pela UEMA e mestre em Ciências sociais pela UFMA, é professor das áreas de Sociologia e Antropologia pra explanar um pouco mais sobre o racismo. Seja bem-…

Milagre na Cela 7 e Uma Lição de Amor: histórias conectadas e muito choro!

E mais uma sexta-feira chuvosa, 15 de maio de 2020, chegou e com ela chegou também o Sextou com Platonyco. Hoje eu vou tratar com vocês sobre dois filmes que são super emocionantes, inclusive um que pelo seu recente sucesso tem sido comentado por muita gente. Confesso que fiquei relutante no início pra assistir, mas olha... fazia muito tempo que eu não chorava com uma produção tão sensível quanto essa. Isso porque Milagre na Cela 7 te faz refletir sobre princípios e valores que se fazem raros em nossos dias. Dirigido por Mehmet Ada Öztekin, esse é um filme turco adaptado do filme sul-coreano Miracle in Cell No 7 de Lee Hwan-gyeong (2013).E não dá para falar de o Milagre na Cela 7 sem lembrar é claro de Uma Lição de Amor, filme de 2001, dirigido por Jessie Nelson e que teve no elenco Sean Penn, Michelle Pfiffer e as irmãs Dakota e Elle Fanning. Mas antes de falar um pouco mais sobre esses filmes quero deixar claro para quem tá chegando agora que o objetivo desse podcast não é dar spoil…

Resistência e Redescoberta - a importância do #BlackLivesMatter

Era uma segunda-feira, 25 de maio, você provavelmente estava no conforto da sua casa ou talvez no trabalho, talvez até mesmo pensativo sobre os rumos em que o distanciamento social está tomando. Nesse mesmo dia, um homem negro, de 46 anos, é acusado de comprar cigarros usando uma nota falsificada. Desarmado, ele é rendido e imobilizado com o joelho de um policial em seu pescoço por mais de nove minutos, mesmo avisando que não conseguia respirar, ele é negligenciado e morre. Uma adolescente de 17 anos filma tudo e rapidamente o vídeo toma conta das redes sociais, o que gera diversos protestos e manifestações nos EUA e ao redor do mundo, encorajando, inclusive movimentos já existentes contra a violência racial aqui no Brasil. Mesmo com a hashtag #BlackLivesMatter se multiplicando nas redes sociais, o que é interessante, já que é uma luta de todos contra o racismo, as nossas atitudes (e quando digo nossas, eu me incluo nessa categoria) precisam muito ainda serem revistas e desconstruídas…